NÃO CONSEGUE ASSISTIR O VÍDEO - COMUNIQUE EM COMERCIALAPLICA@GMAIL.COM

AMO FAZER COMPRAS EM BRECHÓ!!!

PROJETO ÁFRICA

PROJETO ÁFRICA
PLANOS DE AULA

sábado, 17 de agosto de 2013

Principais opiniões a respeito da existência de Homero e de outros autores para esses textos.




Para refletir sobre as questões que envolvem as polêmicas Homéricas farei uma prévia sobre o suposto autor: Homero.

Considerado na Antiguidade por suas obras Ilíada e Odisseia, um aedo, ou rapsodo. Na cultura grega os aedos e rapsodos eram poetas, quase sempre iletrados, que cantavam seus versos diante dos auditórios. A principal característica dos aedos era a repetição frequentes das frases, versos ou grupos inteiros de versos, que facilitavam a memorização. Tudo indica que eram criadas à medida que recitavam (FINLEY, 1988).(VIEIRA,1999) levanta outra característica importante que é a rapidez das descrições homéricas. Segundo esse autor, ao ler Homero, parece que estamos diante de um filme, pela vivacidade de sucessão de cenas,. Por sua característica de repetição de versos contidas nas obras em questão, acredita-se atualmente que, tenham sido poemas recitados pelos aedos. As histórias dos aedos-narrador, depois de transcritos eram transmitidas através dos ensinamentos para crianças e também recitados em cerimônias religiosas, ou antes, de um banquete, influenciando a sociedade em amplos aspectos (social, político, culturais, etc.).

Mas será que os homens modernos também acreditaram na existência de Homero, tal como os homens antigos¿



Levantando as questões Homéricas devemos considerar que:

Aristarco teve sua proposta mais aceita por estudiosos posteriores, com três teorias sobre as questões Homéricas: 
Homero foi o autor das obras ilíada e odisseia; 
Homero seria autor apenas da obra Ilíada; 
Homero seria o autor das duas obras, porém com acréscimo de algumas partes; 

A partir do século 18, surgiram novas polêmicas. Novas análises por estudiosos foram feitas através de historiadores e filósofos, afirmando que:

1. Homero nunca teria existido;

2. Homero existiu, porém seria apenas alguém que reuniu melodias populares da época, contando os feitos dos grandes heróis;


As obras Ilíada e Odisseia


Falar das obras Ilíadas e Odisseia é falar sobre a questão Homérica e envolve uma discussão sobre sua autoria. Alguns estudiosos analíticos defendem que são de vários autores e outros, os unitários, que são apenas de um autor. Questão como data de composição desses poemas causam dúvidas, porém sabemos hoje que os textos são sobre heróis micênicos. Fruto de uma tradição oral, podemos perceber nas obras repetição de vários versos, o que facilitava a memorização não deixando cair no esquecimento os feitos dos grandes heróis da Grécia. 
Por se tratar de Mitologia Grega sua obra é colocada em dúvida na questão da veracidade dos fatos, não sendo considerada por muitos autores como fonte documental.
Na antiga Grécia acreditavam ser Homero um indivíduo histórico, porém os autores na atualidade não reconhecem sua informação biográfica. Para alguns autores o nome “Homero” é apenas um nome fictício usado ou construído. Para outros, como o Historiador e também filósofo Richard Tamas “Homero” apesar de uma existência histórica polêmica, possui no interior de suas obras a memória grega antiga personalizada, ou seja uma obra que deixou herança do povo grego.
A existência de Homero nunca foi comprovada e é polêmica até os tempos de hoje. A ciência moderna entende como data da existência de Homero como referência da composição dos poemas. Entre os estudiosos existe um consenso que Ilíada e Odisseia datam a partir do século 8º. A.C., ou seja, anterior a Hesíodo. Pois no século 6º consideram obras de outros autores, como afirma Wilamovitz-Moellendorff da escola analítica alemã em questão da obra Odisseia. Considerando Ilíada a obra mais antiga da literatura. 
Segundo Heródoto (484 a.C. – 425 a.C.) , Homero teria vivido 40 anos anterior a ele (Hdt.2.53) 
Os textos de Homero são de tal importância para a época que foi considerada mediadores de época como: Período pré-Homérico e Período Homérico.
O período que trata suas obras são durante a existência da civilização creto-micênica.
Porém parece que Homero tenta retratar um período anterior ao que vivia.
Finley (1988) admite que Homero descreva em seus poemas, um mundo intermediário entre a queda dos palácios micênicos e o início do desenvolvimento da cidade-estado grega.
A descrição heroica nas obras Iliadas e Odisseia, o período Homérico também é denominado “Idade das Trevas”, “Época Heróica” ou “Idade dos Heróis”.
A intensão de Homero em retratar em suas obras Ilíada e Odisseia parece ter sido de retratar os heróis gregos, abrindo portas para o triunfo da civilização helênicas nos séculos posteriores. (FINLEY, 1988).
Dada a importância dessas obras para gregos e romanos, foram usadas em suas escolas para o ensino da leitura. Considerada uma “enciclopédia tribal” de onde os helênicos tiravam informações fundamentais para procedimentos ritualísticos, técnicas de guerra, regras de hospitalidade, estrutura olímpica, etc.(VIEIRA, 1999, p.5).
Na Guerra de Tróia, o fato importante a ser destacado é o marco dos gregos para início de sua história.
As características da época, retratada nos poemas por Homero vão além de “historinhas” e nos mostram os ideais heroicos, a relação do homem com os deuses, prática da adivinhação, valor da guerra e divisão da sociedade, estrutura social, função dos escravos, poder das cidades, as leis, etc.

Tudo isso é mostrado em meio a essas histórias.

Vieira (1999) levanta uma característica importante dessas obras que é a expressão do caráter dialógico da cultura grega, refletindo a diversidade cultural que existia na Grécia Antiga, com a multiplicidade de ritos, deuses e concepções que variavam de cidade para cidade, de região para região.
A Grécia descrita por Homero em “Odisseia” retrata as características sociais com traços da economia e da estrutura social grega. Ao descrever a viagem de Ulisses de volta pra Ítaca, Homero ressalta traços típicos do funcionamento da casa do herói (FLORENZANO, 1987).
Na obra “Ilíada” destaca-se a Guerra de Tróia. Homero narra a luta entre gregos e troianos, apesar de muitos autores afirmarem que Homero não era contemporâneo a esta época. A existência da cidade de Tróia foi comprovada recentemente por “esqueletos humanos, inscrições de cerâmica e as próprias muralhas da cidade comprovam que Tróia foi atacada diversas vezes em um curto período de tempo, vindo a sucumbir completamente” (KORFMANN apudARANHA, 2005, p. 23).
Muitos gêneros literários antigos e importantes obras da literatura universal sofreram influências diretas de Homero. Como exemplos, podemos citar a obra Eneida, do poeta romano Virgílio, e Ulisses, do prosador irlandês James Joyce.
Além da literatura, outros gêneros artísticos utilizaram, e ainda hoje utilizam, representações de heróis e cenas descritas por Homero.










Referências bibliográficas:
SILVA, S. C. História Antiga I. Batatais: Claretiano, 2013. Unidade 1
SILVA, S. C. História Antiga I. Batatais: Claretiano, 2013. Unidade 2 


Sites pesquisados:
- Educar para crescer - Afinal quem foi Homero¿Disponível em: http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/afinal-quem-foi-homero-642766.shtml
Acesso em: 17 de agosto de 2013.

- Revista História e Cultura, Franca-SP, v. 1, n. 2, p. 126-147, 2012. Disponível em: 

- Mundo da Educação – “Guerra de Troia” Disponível em: http://www.mundoeducacao.com.br/historiageral/guerra-troia.htm - Acesso em: 17 de agosto de 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Saudações, caro(a) amigo (a)!
Gostaria muito que você deixasse o seu comentário nesta postagem!
Grata
Karen Hüsemann

Acesse o Canal do Ensino

Acesse o Canal do Ensino

Onde História Estudo Aqui Atinge?

Sugestão de vídeos

Loading...

Notícias do Café História

[1] Notícias:
 Egito Antigo: revelação de espanhóis

Uma missão de arqueólogos espanhóis e egípcios fez uma descoberta em uma tumba no sul do Egito que abre portas à reinterpretação da cronologia faraônica, pois poderia demonstrar que Amenhotep III e seu filho Amenhotep IV, conhecido como Akenaton, reinaram juntos. [Leia mais]

[2] Mural:
 Morre Stuart Hall | Arqueologia

Considerado o pai do multiculturalismo, o sociólogo jamaicano Stuart Hall faleceu hoje aos 82 anos. A notícia foi noticiada nesta segunda-feira, dia 10 de fevereiro de 2014. E mais: Lançada em 1863, a Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano (IAHGP)está recebendo artigos e outras contribuições em fluxo contínuo. [Leia mais]

[3] Fórum:
 Como avaliar o legado de Stuart Hall?

Participe do nosso mais novo fórum, dedicado ao sociólogo jamaicano falecido ontem, Stuart Hall, considerado o "pai" do multiculturalismo. O título do fórum é: Stuart Hall: como avaliar o seu legado sociológico? [Leia mais]

[4] Livro:
 Memórias da Segunda Guerra Mundial

Em “Memórias da Segunda Guerra Mundial” (em dois volumes), Winston Churchill relata, com uma escrita lúcida e incisiva, as raízes e o desenvolvimento da Segunda Grande Guerra do ponto de vista de quem viveu com intensidade os acontecimentos. Considerada uma obra-prima da literatura do século XX, estas Memórias ultrapassam qualquer gênero e constituem um clássico de leitura obrigatória. [Leia mais]

[5] Cine-História:
 Memórias de Salinger

Chega aos cinemas brasileiros o documentário de Shane Salermo, intitulado "Memórias de Salinger". O filme conta com a participação de Phillip Seymour Hoffman, Edward Norton John Cusack e muitos outros. [Leia mais]

[6] Documento: 
Propagandas antigas

Propaganda retirada da revista A Lua, edição nº10, conta um pouco mais sobre o ano de 1910. [Saiba mais]

[7] Conteúdo da Semana:
 Hemeroteca de Lisboa

Hemeroteca de Lisboa digitaliza parte de seu acervo e disponibiliza na internet, gratuitamente, milhares de documentos que ajudam a contar mais de três séculos da história da imprensa em Portugal. [Leia mais]

Visite Cafe Historia em: http://cafehistoria.ning.com/?xg_source=msg_mes_network





1] Notícias:
 Cemitério de escravos no quintal de casa

Em 1996, durante uma reforma, família descobriu ossadas debaixo da casa. A princípio, desconfiou que fossem de cachorros, até encontrarem várias arcadas dentárias humanas. E mais: sítio arqueológico é descoberto atrás da antiga Estação Leopoldina. Relíquias da família imperial estavam no subterrâneo do terreno, numa antiga área de descarte [Leia mais]

[2] Mural:
 Direita e Autoritarismo

Entre os dias 18 a 22 de novembro de 2013, acontecerá nas dependências do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Juiz de Fora, a 30o Semana de História da UFJF: “As Faces de Clio e os Desafios da História”. E confira também: Já se encontra online o novo número da Revista Debater Europa, subordinado ao tema "diálogos europeus", coordenado por Isabel Maria Freitas Valente e Alexandra Aragão. [Leia mais]

[3] Evento:
 Profissão Historiador

Acontece na Fundação Casa de Rui Barbosa, entre os dias 13 e 20 de setembro, um bem-vindo debate aberto sobre a profissão de historiador. [Leia mais]

[4] Nosso Livro:
 O Flautista do Rei

Ex-Ministro do Governo Sarney escreve autobiografia que ajuda a entender uma precisa parte de nossa história [Leia mais]

[5] Cine-História:
 Rush

Fãs de automobilismo (e do bom cinema) podem comemorar, pois acaba de chegar aos cinemas o filme "Rush - No Limite da Emoção" ("Rush", no original, em inglês), drama dirigido por Ron Howard que conta a história da maior rivalidade já vista na Fórmula 1, entre os pilotos Niki Lauda e James Junt. [Leia mais]

[6] Documento: 
Revolução Francesa

Decreto da Assembléia Nacional francesa estabelece os novos departamentos administrativos da França. [Saiba mais]

[7] Conteúdo da Semana:
 Filosofia - Entrevista

Relembre nossa entrevista com o professor Eduardo Jardim (PUC-RJ). O tema? Filosofia [Leia mais]

Visite Cafe Historia em: http://cafehistoria.ning.com/?xg_source=msg_mes_network