NÃO CONSEGUE ASSISTIR O VÍDEO - COMUNIQUE EM COMERCIALAPLICA@GMAIL.COM

AMO FAZER COMPRAS EM BRECHÓ!!!

PROJETO ÁFRICA

PROJETO ÁFRICA
PLANOS DE AULA

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

As Colônias da América: diferenças e proximidades em prática






KAREN ALESSANDRA HÜSEMANN
RA 1109761


Atividade de prática
As Colônias da América: diferenças e proximidades em prática


Centro Universitário Claretiano
Professor: Everton Luis Sanches
Disciplina: História da América


Campinas
4º. Semestre






Projeto de prática
As Colônias da América: diferenças e proximidades em prática
30/10/2014

Visão geral

1.      Descrição e histórico do projeto

Este projeto é parte integrante das atividades de prática da disciplina de História da América, ministrada através de tutoria a distância pelo Mestre Doutor Everton Luís Sanches pelo centro Universitário Claretiano.

2.      Objetivo

O objetivo deste projeto é oferecer aos alunos do ensino médio, uma análise e comparação histórica entre as colonizações brasileira e hispano-americana.

3.      Justificativa

O passado colonial parece justificar todas as questões do presente. Entender que algumas das consequências que vivemos no presente advêm da subordinação socioeconômica, da miséria, e da violência como traço de uma constância nas questões que envolvem todo o povo americano, neste sentido se faz necessário uma Compreensão d o sentido da colonização e de seu legado modelo adotado, para entender a identidade do continente americano.

4.      Metodologia

·    Utilização de aulas expositivas em slides para exposição de imagens e pequenos tópicos, abordando de forma explicativa e dialogada sobre cada um deles.
·    Debate em sala de aula com os alunos sobre as questões que envolvem as semelhanças e diferenças, os confrontando em dois grandes grupos sendo que cada um irá defender sua posição enquanto colonizador. Espanha X portugueses.
·    Retratar em filme a História da América Central que está diretamente ligada à colonização espanhola e que se soma a grande influência em parte da pobreza da região. APOCALYPTO com 139 minutos em 3 aulas de 45 minutos cada.

5.      Recursos materiais utilizados

·         Data Show com caixa de som;
·         Textos redigidos pelo professor;
·         Computador ( não é necessário acesso à internet).

6.      Recursos didáticos

·         Slides preparados pelo professor contendo imagens e texto em forma de tópicos explicativos;
·         Filme em Pen drive Apocalypto
·         Aula explicativa, dialogada e debate entre os alunos.

7.      Avaliação

O debate pode ser um grande referencial para avaliar não somente os conteúdos bem como a dinâmica do exercício em si na participação dos alunos.
O relatório do filme imediatamente ao termino de assisti-lo conclui os pensamentos de acordo com a intervenção do professor antes, durante e depois do filme.
Prepara-los antecipadamente para assistirem o filme é fundamental  para o êxito do relatório conclusivo.

8.      Referências Bibliográficas

ALGO SOBRE VESTIBULAR, Colonização portuguesa no Brasil, disponível em:< https://www.algosobre.com.br/historia/colonizacao-portuguesa-no-brasil.html> Acessado em: 30/10/2014, às: 20hs e 20min.

BRASIL ESCOLA, Colonização do Brasil Disponível em: < http://www.brasilescola.com/historiab/colonizacao-brasil.htm> Acessado em: 31/10/2014 às: 17hs e 37min.

PINHEIRO, Marcos Sorrilha. História da América II. Batatais: Claretiano, 2011. Disponível no material de apoio do Centro Universitário Claretiano.

SANTOS, Cristiane A. Camacho dos. A leitura da colonização portuguesa da América no processo de independência do Brasil (1821-1822). Biblioteca digital da USP. www.revistas.usp.br><  Disponível em PDF. Último acesso em 30/10/2014. Às 23hs e 10 min.

e-vídeos

GIBSON, Mel. APOCALYPTO, 2006, 139 minutos. 26 de janeiro de 2007( Brasil). Ação – Aventura – Drama.





Como foram os processos de colonização na
América-hispânica e na América português?
Quais as semelhanças e as diferenças
entre esses dois processos de colonização?
PROFESSOR EVERTON LUIS SANCHES
História da América



CENTRO UNIVERSITÁRIO CLARETIANO
Autora:Karen Alessandra Husemann



Apresentação

Este trabalho de portfólio faz parte dos componentes de atividades sugeridas Everton Luis Sanches.
Tem como objetivo refletir sobre as teorias que tratam da origem do homem americano para a disciplina de História da América ministrada pelo tutor a distância, bem como pesquisar sobre o assunto e confrontar os resultados de pesquisa com os conhecimentos adquiridos com a leitura do Material Didático Mediacional.

Introdução

A presente propõe preparar para as atividades de pesquisa e de ensino, aparelhar as questões formais de elaboração de um plano de aula e despertar para as problemáticas que envolvem as questões sociais e políticas do continente americano e a importância do educador para a conscientização dos alunos.

Desenvolvimento

A colonização da América apresenta duas formas distintas de ocupação dentre elas as colônias de povoamento ao norte da  América Inglesa e colônias de exploração ao sul da América Inglesa e Américas Ibéricas, ou seja Espanhola e Portuguesa, sendo que o processo de  povoamento vem bem mais tardio, mais de um século depois do processo de exploração.
A partir da expansão marítima, a América Espanhola surge da descoberta da América pelo italiano Cristóvam Colombo no ano de 1492 em busca do caminho das Índias com a intenção da Coroa Espanhola, que por sua vez torna-se a maior potência européia durante o século16 através de uma colonização exploradora com a atividade deveras lucrativa de mineração em terras americanas. A base da exploração espanhola estava alicerçada nas minas do México Potosí (Peru). O trabalho nas minas eram forçados sub-remunerados ou compulsório de tribos inteiras, sendo uma das principais mão de obra usada por seus colonizadores espanhóis. A sociedade era dividida da seguinte maneira: No topo da pirâmide estão os Chapetones que eram os espenhóis vindos da Europa, abaixo desses, na pirâmide, os criollos que eram a mistura de americanos com os espanhóis, seguindo abaixo na pirâmide, os mestiços, índios e negros que eram a maioria e escravos. Existiam as casas de contratação que tinha a responsabilidade de firmar contratos e acordos na América. As incursões no território americano dominou e destruiu as sociedades incas e astecas e travaram inúmeras batalhas com os povos indígenas para a cosolidação dessa dominação. Os espanhóis  se aproveitaram das rivalidades entre os povos que tinham interesses diferentes entre si, como: cultura, inimigos, aliados e este fator influenciou diretamente na vitória da conquista de novas alianças entre os povos indígenas e os espanhóis. Esses povos sofreram muito com a colonização espanhola, pois era de cunho exploradora. O fato é que os povos nativos já possuiam uma organização política e social bem complexa. Foram derrotados pela força da espada, da catequização, dos trabalhos forçados e da fome. As colônias espanholas ocuparam os territórios da América central e Norte.
A colonização Portuguesa, inicia com a chegada de Pedro Alvares Cabral no ano de 1500, fundando vilas e cidades. Por conta da crise no comércio das índias, os portugueses só efetivaram a colonização na América por volta de 1530, pois naquele momento eles tinham que defender sua posição na África, contruindo fortes, o que acarretava gastos. Em 1530 perceberam que poderiam perder o território do Brasil para estrangeiros, suas ambições começaram a ver o local com outros olhos. Tinha interesse na economia açucareira, que era considerado um produto muito lucrativo e de grande valor na Europa. Exploraram a monocultura de cana de açúcar com a utilização de mão de obra escrava. Escravizando os índios e após os africanos, que foram trazidos em condições sub humanas em navios chamados de “negreiros”. A política se justificava na missão da igreja de catequizar os índios, que eram politeístas. A construção de engenhos era financiada pelos bancos holandeses em troca de participação nas atividades açucareiras. Os portugueses tinham uma preocupação com invasões litorâneas e para tanto fixou povos no litoral, para inibir os possíveis ataques estrangeiros. Durante a expansão territorial, os jesuítas exploraram a fé cristã, deslocando os índios para longe da escravidão, os bandeirantes vinham em busca de riquezas, algo rantável que desse lucro. Nas entradas, vinham as expedições que tinham por objetivo, capturar nativos para o trabalho escravo. Houe destruição de quilombos negros em busca de metais preciosos. O Tratado de \Tordesilhas, firmado em 1750 foi ultrapassado, firmado o Tratado de Madrid, que redefiniu os limites,que  quem ocupa o território de fato, o tem em poder. A implantação das capitanias inicia-se com a crise do comércio oriental. Os portugueses não tinham recursos para investir, então passam os gastos para particulares, os donatários. Mas precisavam garantir o território, que estava sendo ameaçado por estrangeiros, então regularizam  o funcionamento das capitanias, por dois documentos: As Cartas de Doação e os Forais. Houve um fracasso nas capitanias, devido a falta de recursos dos donatários, eles vinham mas voltavam. Não havia um poder centralizador na colônia. Colonizando apenas parte do território, pois Portugual não conseguia ajuda  e desistem das terras dos outros territórios. Portugal só conseguiu centralizar o regime através  do Regimento de 1548, criando o Cargo de Governador Geral para representar a Coroa Portuguesa, o que resolveu o problema com os donatários

Conclusão


Diante do que que foi apresentado advindo de estudos realizados no material didático do Centro Universitário Claretiano confrontados com os mencionados nas referências bibliográficas, concluo que o fator determinante nas diferenças e semelhanças é a forma de ocupação que determinou países desenvolvidos e subdesenvolvidos. Os que foram colonizados por uma ocupação exploradora, sofreu mais com a exploração de suas riquezas que foram transportadas para fora de seus territórios e os que foram apenas povoados, ficaram com suas riquezas em seu interior que recebeu subsídio para o desenvolvimento rápido.


  
Referências

ALGO SOBRE VESTIBULAR, Colonização portuguesa no Brasil, disponível em:< https://www.algosobre.com.br/historia/colonizacao-portuguesa-no-brasil.html> Acessado em: 30/10/2014, às: 20hs e 20min.

BRASIL ESCOLA, Colonização do Brasil Disponível em: < http://www.brasilescola.com/historiab/colonizacao-brasil.htm> Acessado em: 31/10/2014 às: 17hs e 37min.

PINHEIRO, Marcos Sorrilha. História da América II. Batatais: Claretiano, 2011. Disponível no material de apoio do Centro Universitário Claretiano.

SANTOS, Cristiane A. Camacho dos. A leitura da colonização portuguesa da América no processo de independência do Brasil (1821-1822). Biblioteca digital da USP. www.revistas.usp.br><  Disponível em PDF. Último acesso em 30/10/2014. Às 23hs e 10 min.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Saudações, caro(a) amigo (a)!
Gostaria muito que você deixasse o seu comentário nesta postagem!
Grata
Karen Hüsemann

Acesse o Canal do Ensino

Acesse o Canal do Ensino

Onde História Estudo Aqui Atinge?

Sugestão de vídeos

Loading...

Notícias do Café História

[1] Notícias:
 Egito Antigo: revelação de espanhóis

Uma missão de arqueólogos espanhóis e egípcios fez uma descoberta em uma tumba no sul do Egito que abre portas à reinterpretação da cronologia faraônica, pois poderia demonstrar que Amenhotep III e seu filho Amenhotep IV, conhecido como Akenaton, reinaram juntos. [Leia mais]

[2] Mural:
 Morre Stuart Hall | Arqueologia

Considerado o pai do multiculturalismo, o sociólogo jamaicano Stuart Hall faleceu hoje aos 82 anos. A notícia foi noticiada nesta segunda-feira, dia 10 de fevereiro de 2014. E mais: Lançada em 1863, a Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano (IAHGP)está recebendo artigos e outras contribuições em fluxo contínuo. [Leia mais]

[3] Fórum:
 Como avaliar o legado de Stuart Hall?

Participe do nosso mais novo fórum, dedicado ao sociólogo jamaicano falecido ontem, Stuart Hall, considerado o "pai" do multiculturalismo. O título do fórum é: Stuart Hall: como avaliar o seu legado sociológico? [Leia mais]

[4] Livro:
 Memórias da Segunda Guerra Mundial

Em “Memórias da Segunda Guerra Mundial” (em dois volumes), Winston Churchill relata, com uma escrita lúcida e incisiva, as raízes e o desenvolvimento da Segunda Grande Guerra do ponto de vista de quem viveu com intensidade os acontecimentos. Considerada uma obra-prima da literatura do século XX, estas Memórias ultrapassam qualquer gênero e constituem um clássico de leitura obrigatória. [Leia mais]

[5] Cine-História:
 Memórias de Salinger

Chega aos cinemas brasileiros o documentário de Shane Salermo, intitulado "Memórias de Salinger". O filme conta com a participação de Phillip Seymour Hoffman, Edward Norton John Cusack e muitos outros. [Leia mais]

[6] Documento: 
Propagandas antigas

Propaganda retirada da revista A Lua, edição nº10, conta um pouco mais sobre o ano de 1910. [Saiba mais]

[7] Conteúdo da Semana:
 Hemeroteca de Lisboa

Hemeroteca de Lisboa digitaliza parte de seu acervo e disponibiliza na internet, gratuitamente, milhares de documentos que ajudam a contar mais de três séculos da história da imprensa em Portugal. [Leia mais]

Visite Cafe Historia em: http://cafehistoria.ning.com/?xg_source=msg_mes_network





1] Notícias:
 Cemitério de escravos no quintal de casa

Em 1996, durante uma reforma, família descobriu ossadas debaixo da casa. A princípio, desconfiou que fossem de cachorros, até encontrarem várias arcadas dentárias humanas. E mais: sítio arqueológico é descoberto atrás da antiga Estação Leopoldina. Relíquias da família imperial estavam no subterrâneo do terreno, numa antiga área de descarte [Leia mais]

[2] Mural:
 Direita e Autoritarismo

Entre os dias 18 a 22 de novembro de 2013, acontecerá nas dependências do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Juiz de Fora, a 30o Semana de História da UFJF: “As Faces de Clio e os Desafios da História”. E confira também: Já se encontra online o novo número da Revista Debater Europa, subordinado ao tema "diálogos europeus", coordenado por Isabel Maria Freitas Valente e Alexandra Aragão. [Leia mais]

[3] Evento:
 Profissão Historiador

Acontece na Fundação Casa de Rui Barbosa, entre os dias 13 e 20 de setembro, um bem-vindo debate aberto sobre a profissão de historiador. [Leia mais]

[4] Nosso Livro:
 O Flautista do Rei

Ex-Ministro do Governo Sarney escreve autobiografia que ajuda a entender uma precisa parte de nossa história [Leia mais]

[5] Cine-História:
 Rush

Fãs de automobilismo (e do bom cinema) podem comemorar, pois acaba de chegar aos cinemas o filme "Rush - No Limite da Emoção" ("Rush", no original, em inglês), drama dirigido por Ron Howard que conta a história da maior rivalidade já vista na Fórmula 1, entre os pilotos Niki Lauda e James Junt. [Leia mais]

[6] Documento: 
Revolução Francesa

Decreto da Assembléia Nacional francesa estabelece os novos departamentos administrativos da França. [Saiba mais]

[7] Conteúdo da Semana:
 Filosofia - Entrevista

Relembre nossa entrevista com o professor Eduardo Jardim (PUC-RJ). O tema? Filosofia [Leia mais]

Visite Cafe Historia em: http://cafehistoria.ning.com/?xg_source=msg_mes_network